Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Ministério da Saúde mobiliza população para o combate ao Aedes aegypti

Escrito por Sandra Teixeira | Publicado: Sexta, 02 de Março de 2018, 17h08 | Acessos: 256

Com o período de chuvas em várias cidades, população deve manter cuidados diários para eliminar o mosquito. O combate não pode ocorrer apenas em determinados períodos, deve ser contínuo

O Ministério da saúde convoca a população brasileira a continuar com a mobilização nacional pelo combate ao mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. O período do verão é o mais propício à proliferação do mosquito Aedes aegypti, por causa das chuvas, e consequentemente é a época de maior risco de infecção por essas doenças. Por isso, a população deve ficar atenta e redobrar os cuidados para eliminar possíveis criadouros do mosquito

Itens relacionados

As sextas–feira têm sido escolhidas como Dia Nacional de Combate ao Aedes aegypti. “O enfrentamento ao mosquito é prioridade do Governo Federal” explicou o  ministro da Saúde, Ricardo Barros. “A definição da sexta-feira como um dia nacional para uma grande mobilização, demonstra o nosso empenho e preocupação no combate ao Aedes para que possamos evitar todas as doenças causadas por ele”, explica o ministro.

Em todo o país, o Governo Federal, em parceria com os estados e os municípios, realiza uma série de ações para conscientizar sobre importância de eliminar os focos do mosquito, especialmente no verão, período mais favorável à proliferação do mosquito. As ações integradas e simultâneas, em todo o país, mobilizam prefeituras, governos estaduais e população. São previstas distribuição de material educativo, visitas domiciliares, mutirões de limpeza realizados pelos agentes de saúde, exposições educativas em escolas, entre outras ações voltadas para a comunidade local.

 

CASOS

As três doenças transmitidas pelo Aedes agypti tiveram redução significativa. Até 3 de fevereiro, foram notificados 22.586 casos prováveis de dengue em todo o país, uma queda de 39% em relação ao mesmo período 2017 de (31.553). Com relação ao número de óbitos, também houve redução, passando de 20 mortes no ano passado para nenhum nesse período. Em relação à febre chikungunya, foram registrados 4.844 casos neste ano, queda de 55% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 10.630 casos. A redução do zika foi de 89%, passando de 2.981 registros para 330 em 2017. Em relação às gestantes, foram registrados 93 casos prováveis, sendo nove confirmados por critério clínico-epidemiológico ou laboratorial.

INFESTAÇÃO

O último Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) de 2017, consolidado em 31 de dezembro de 2017, foi realizado por 5.480 (98,4%) municípios de todo o país, sendo que destes, 3.268 municípios apresentaram condição satisfatória com índices de infestação menor que 1%, 1.445 municípios apresentaram estado de alerta, com índice de infestação entre 1% a 3,9% e 461 restantes apresentaram risco de epidemia, com Índice de Infestação superior a 4%.

O Mapa da Dengue, como é chamado o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa), é um instrumento fundamental para o controle do mosquito. Com base nas informações coletadas, o gestor pode identificar os bairros onde estão concentrados os focos de reprodução do mosquito, bem como o tipo de depósito onde as larvas foram encontradas. O objetivo é que, com a realização do levantamento, os municípios tenham melhores condições de fazer o planejamento das ações de combate e controle do mosquito Aedes aegypti.

As ações de prevenção e combate ao Aedes aegypti são permanentes e tratadas como prioridade pelo Governo Federal. Desde a identificação do vírus zika no Brasil e sua associação com os casos de malformações neurológicas, o governo mobilizou todos os órgãos federais (entre ministérios e entidades) para atuar conjuntamente, além de contar com a participação dos governos estaduais e municipais na mobilização de combate ao vetor.

CAMPANHA PUBLICTÁRIA

Ainda para reforçar a importância da prevenção, foi lançada em novembro nova campanha do Ministério da Saúde de conscientização para o combate ao Aedes aegypti, que chama atenção da população para os riscos das doenças transmitidas pelo vetor (dengue, zika e chikungunya) e convoca a todos ao seu enfrentamento. O objetivo é mostrar que o combate à proliferação do mosquito começa dentro da própria casa, sendo responsabilidade de cada um, podendo gerar mudança positiva na vizinhança. O material alerta: “Um mosquito pode prejudicar uma vida. E o combate começa por você. Faça sua parte e converse com seu vizinho”.

Por Nivaldo Coelho da Agência Saúde
Atendimento à imprensa
(61) 3315-3580/3395/3435

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página